PMDB vai à guerra por mais espaço nos ministérios

Após quase um mês da votação da denúncia por corrupção passiva contra o presidente da República, Michel Temer (PMDB), na Câmara dos Deputados, a briga de partidos da base aliada por mais espaço na Esplanada dos Ministérios continua.

Nos últimos dias, um dos que reforçaram a insatisfação perante o presidente foi sua própria sigla, o PMDB. Os peemedebistas estão incomodados com a permanência de quatro ministérios sob o comando do PSDB, que está rachado entre apoiar ou abandonar Temer e votou dividido no arquivamento da denúncia. O partido do presidente pede a saída do ministro tucano Antonio Imbassahy, titular da Secretaria de Governo, responsável pela articulação política do governo.

Na avaliação de deputados peemedebistas ouvidos pelo UOL, a insatisfação é direcionada especificamente ao PSDB, mas encontrou em Imbassahy uma espécie de válvula de escape.

Além da Secretaria de Governo, os tucanos controlam os ministérios das Relações Exteriores (Aloysio Nunes), das Cidades (Bruno Araújo) e dos Direitos Humanos (Luislinda Valois). Para os peemedebistas, quatro pastas para um partido que não atua à altura em prol do governo são um exagero. Na votação da denúncia contra Michel Temer, o PSDB ficou dividido com 21 votos pela rejeição da peça da PGR (Procuradoria-Geral da República) e 20 pela continuidade.

PORTO VELHO

Banner 468 x 60 px