Rolim de Moura: Prefeito toma medidas para reduzir custos

Luizão optou por evitar gastos para não ter que tomar medidas consideradas drásticas (Foto: Rogério Aderbal/G1) Luizão optou por evitar gastos para não ter que tomar medidas consideradas drásticas (Foto: Rogério Aderbal/G1)

Alegando economia de recursos para cofres públicos municipais, o prefeito de Rolim de Moura, cortou 15% do salário dos servidores concursados com cargos de comissão e reduziu em 50% o valor do auxílio alimentação dos servidores comissionados, que não pertencem ao quadro efetivo do município. A medida entrará em vigor no dia 1º de setembro.

O executivo municipal também suspendeu temporariamente a concessão de diárias, horas extras e plantões extras. Serão permitidas apenas concessões em casos excepcionais de interesse público, autorizados pelo prefeito.
Também está proibida a circulação de veículos oficiais municipais após as 18h. Apenas veículos urgência estão autorizados com o aval do secretário da pasta, como ambulância, carros de fiscalização e outros.

Segundo o prefeito Luiz Ademir Shock, conhecido como Luizão do Trento (PSDB), as medidas visam conter gastos da administração municipal e minimizar os efeitos de uma das maiores crises financeiras que o município enfrenta, que segundo o parlamentar, se formou por excesso de despesas geradas pelas administrações anteriores.

Com dívidas que se arrastam há anos, vários órgãos municipais tiveram a energia cortada por uma semana por falta de pagamento, no ano passado.

CULPADOS
O prefeito relata que as dívidas se acumularam ao longo dos anos e diz que os administradores anteriores e o sindicato dos servidores municipais têm parcela de culpa pela situação atual do município.

"Os antigos prefeitos, a Câmera de Vereadores e o próprio sindicato são culpados por isso também, pois pediram benefícios sabendo que o município não poderia arcar com esses compromissos. Foram muitas irresponsabilidades cometidas, onde o sindicato apertou, os prefeitos 'bolas murchas' cederam, a Câmara aprovou, e aconteceu isso. Hoje o município está engessado", expõe.

De acordo com a administração, as despesas da prefeitura ultrapassam a R$ 8 milhões, sendo R$ 5 milhões com a folha de pagamento, o que corresponde a 78% do valor total da arrecadação do município.

“Esse descontrole financeiro vem ao longo dos últimos 12 anos, e caiu no colo dessa administração para resolver os problemas. E nós vamos resolver. Mas não se consegue pagar uma demanda tão grande se não reduzir custos. Nós estamos reduzindo custos desde quando assumimos a administração, mas são insuficientes”, relata.

Conforme o prefeito, a medida visa a economia de combustível e a manutenção dos veículos. Um projeto de lei que trata do assunto foi encaminhado para a Câmara de Vereadores.
“Foram criadas leis ao longo dos anos com certos benefícios, e hoje temos que rever algumas delas, tendo em vista que vamos atender alguns setores da prefeitura com precariedade, pois já cortamos cerca de 40 servidores comissionados no ano passado e teremos que exonerar mais 20 ou 30 servidores. Acredito que a partir de março do ano que vem, as coisas vão estar resolvidas. Isso por que com a economia que vamos fazer agora irá surtir efeito no futuro. Para isso, a Câmara de Vereadores também precisa fazer a parte dela”, assegura Luizão.

Em nota, o Sindicato dos Servidores Públicos da Zona da Mata (Sinsezmat) disse o projeto de lei que foi enviado para a Câmara de Vereadores não tira as gratificações dos servidores concursados.

NOTA DA ÍNTEGRA
O SINSEZMAT comunica aos Servidores Públicos Municipais de Rolim de Moura, que já é de conhecimento o Projeto de Lei que esta na Câmara Municipal. O Projeto não tira as gratificações. Serão feitas reuniões nos locais de trabalho para debater sobre os seguintes projetos, Projeto de Lei nº 67/2017, Projeto de Lei Complementar Nº 17/2012, onde revoga a Lei Complementar Nº 71/2010 e Projeto de Lei Complementar Nº 16/2017, onde altera a Lei Complementar Nº 108/2012. (Informações: G1/RO/ Rogério Aderbal)

PORTO VELHO

Banner 468 x 60 px