Parcela do 13º: Aposentados com uma grana a mais a partir de sexta

O pagamento é correspondente a até 50% do valor do benefício. O pagamento é correspondente a até 50% do valor do benefício.

Tem direito ao abono quem, durante o ano, recebeu benefício previdenciário como aposentadoria, pensão por morte, auxílio-doença, auxílio-acidente, auxílio-reclusão ou salário-maternidade.

REDAÇÃO
A partir de sexta-feira, 25, aposentados e pensionistas já começam a receber a antecipação da primeira parte do abono do 13º. O calendário que segue até o dia 8 de setembro vai representar uma injeção extra na economia de pelo menos R$ 19,8 bilhões, de acordo com o Ministério da Previdência.

O pagamento é correspondente a até 50% do valor do benefício. A exceção é para quem passou a receber o benefício previdenciário depois de janeiro – nesse caso o valor será proporcional.

O extrato mensal de pagamento está disponível para consulta na página da Previdência Social www.previdencia.gov.br e nos terminais de autoatendimento da rede bancária juntamente com o extrato de pagamento de benefícios da folha de agosto.

Nesta parcela ainda não há incidência de Imposto de Renda (IR). De acordo com a legislação, o IR sobre o 13º somente é cobrado em novembro e dezembro, quando será paga a segunda parcela da gratificação natalina. O decreto que autorizou a antecipação do pagamento foi publicado no Diário Oficial da União do dia 28 de julho. A estimativa é que sejam contemplados 29,4 milhões de beneficiários em todo o País.

Tem direito ao abono quem, durante o ano, recebeu benefício previdenciário como aposentadoria, pensão por morte, auxílio-doença, auxílio-acidente, auxílio-reclusão ou salário-maternidade.

Reunião com Temer
E a autorização para o pagamento do abono esse ano se deu somente “nos 45 minutos do segundo tempo”. Desde meados de junho entidades representativas dos aposentados começaram a fazer pressão sobre o governo Temer para cobrar a liberação do decreto que autorizava o pagamento. E deu certo. No dia em que uma reunião com o presidente do instituto, Leonardo Gadelha, estava agendada
“Nós ouvimos do próprio Temer, por teleconferência, que ele iria pedir à Fazenda (ministério) a edição do decreto”, informou, na época, o presidente licenciado o Sindicato Nacional dos Aposentados, ligado à Força Sindical, João Batista Inocentini.

PORTO VELHO

Banner 468 x 60 px