Fiero pede união de RO e Acre para conclusão de ponte

Obra é estratégica para o desenvolvimento do Brasil Obra é estratégica para o desenvolvimento do Brasil

Marcelo Thomé, ao chamar a atenção da classe política para a união de forças que devem convergir para a conclusão dessa obra

REDAÇÃO
A ponte sobre o rio Madeira, em Abunã, é parte da infraestrutura logística do Norte brasileiro e precisa receber a devida atenção das autoridades, sob pena de botar a perder todo o esforço que o setor produtivo de Rondônia vem fazendo para manter os índices da economia regional em crescimento. A afirmação é do presidente da Federação das Indústrias do Estado de Rondônia, Marcelo Thomé, ao chamar a atenção da classe política para a união de forças que devem convergir para a conclusão dessa obra.

O presidente da Fiero lembra que essa é uma obra que por diversas vezes já sofreu contingenciamento de recursos e vem prejudicando sobremaneira a população de Rondônia e do Acre, que tem na BR - 364 sua única opção de ligação terrestre com o restante do Brasil.

Além disso, argumenta Marcelo Thomé, a travessia do rio Madeira, em Abunã, é parte do eixo rodoviário estratégico do Norte do Brasil e da rodovia do pacífico. “Penso que é chegada a hora de uma ação integrada entre as bancadas federais de Rondônia e Acre para a resolução desse problema.

Thomé lembra ainda que a travessia demora de 30 a 36 horas, prejudicando, desta forma, a qualidade dos produtos e a competitividade das empresas.
Ao falar para cerca de 40 oficiais superiores da Escola de Comando de Estado Maior do Exército em missão a Amazônia, na manhã de terça-feira, 15, o presidente da Fiero citou as pontes do Abunã e a de Guajará-Mirim como obras estratégicas para o desenvolvimento do Brasil.

PORTO VELHO

Banner 468 x 60 px