Quase 3 mil tendimentos Sociais na Ágata

O general José Eduardo Leal De Oliveira, comandante da 17ª Brigada de Infantaria de Selva deixou claro quando da apresentação dos resultados da Operação Ágata Curare, sexta-feira, que o trabalho de fiscalização terá continuidade, lembrando que os resultados obtidos pela ação desenvolvida na área de abrangência da 17ª – Acre e Rondônia, com apoio de vários órgãos, apresentou bons frutos.

A operação, realizada conjuntamente sob a liderança do Exército em toda a área da fronteira brasileira desde Mato Grosso do sul até o Pará, abrangendo especialmente toda a região Norte, envolvendo milhares de participantes, a grande maioria militares do EB.

Como nos anos anteriores a Ágata teve desdobramento não apenas nas rodovias, mas também nos aeroportos da região de fronteira, e fiscalização nos rios que separam o Brasil da Bolívia.

O general explicou que a IX Operação ágata Curare fez parte do Plano estratégico de Fronteiras do Governo Federal, numa região que engloba limites com 10 países, realizada uma vez por ano, constando, dentre outras ações, do patrulhamento de rodovias e estradas vicinais, fiscalização sobre tráfego de veículos e documentações.

Na explanação o general destacou a importância da parceria de órgãos federais e estaduais que também estiveram envolvidos nos cinco dias em que o trabalho foi realizado, como por exemplo a ação da Receita Federal que contabilizou 80 mil reais em objetos diversos enquadrados no grupo “descaminho”.

BRAÇO SOCIAL
Um fator importante nesse trabalho realizado sob a lideranças do Exército, na fronteira, é um “braço” que não vai para as pistas nem age efetivamente na fiscalização, mas cujos resultados são destacados tanto para as comunidades quanto para um melhor conhecimento do que pode fazer o EB.

Trata-se da área social. A Ágata Curare, na região da 17ª promoveu quase 3 mil atendimentos médico-odontológicos, incluindo aí a atenção voltada para lazer e para as crianças. (Fotos 17ª Brigada)

PORTO VELHO

Banner 468 x 60 px